28 de mai de 2010

As utopias que prefiro viver

Por: Suelen Lorianny


Viveria nos anos 60, 70 com muito orgulho. Uma época que dizia-se ser censurada, na verdade, foi aonde existia a verdadeira liberdade. Vejo a ditutadura como um motivador para a revolução, motivador para a mudança. Era nisso que aqueles jovens achavam suas forças, raivas e indignações.
E hoje temos a falsa ideia de liberdade. Acreditamos que nada nos impede, que temos a liberdade de expressão, só porque fazemos "tudo" o que desejamos. Quando ouvimos um 'não' nem nos importamos, afinal, é só um. O que, consequentemente, nos acomoda sem percebermos.
Assim, cegamente caminhamos rumo ao conformismo.
Sinto-me como uma pessoa idosa que olha para o mundo e se pergunta: cadê aqueles que lutavam contra a injustiça? Contra a censura? Contra o preconceito? E o engraçado, ou triste, é que eu sou apenas mais uma jovem que faz parte do sistema do século XXI.
Sei que muitos se sentem como eu. Muitos também tentam achar alguma saída, tentam caminhar na contramão.
O que me fez pensar sobre isso foi... O mundo ilusório acadêmico, senhoras e senhores!
Pensei que seria incentivada a não me acomodar, a pensar, a criar um senso crítico... Mas diria que, pelo contrário, está sendo apenas mais um lugar para ouvir instruções e regras.
“Você está aqui para se tornar um formador de opinião”. Nos meus primeiros dias dentro da universidade, no curso de jornalismo, foi isso que me disseram que eu iria ser. Mas até agora só estou aprendendo a escrever para repassar a opinião de um superior. É como se eu estivesse me aperfeiçoando para outros usarem. E isso é frustrante demais.
Alguns podem achar que sou metida a socialista, revolucionária, etc. Podem achar que acredito na utopia de que uma universidade livre é possível, na utopia de uma juventude que vai sair do comodismo. E quer saber? Acredito mesmo. Não vou simplesmente me conformar e aceitar que uns mandam e outros obedecem, sendo que eu vivo num país livre (sim, com ironia).
Sei que um exército não será usado enquanto os soldados estiverem em seus sofás (comodismo), assistindo suas televisões (apatia) e deixando a vontade de mudar para outro dia.. quem sabe.
Você precisa parar de acompanhar novelas enquanto ingora que sua própria vida está sem protagonista porque você prefere ser expectador.
Com meu pesar, ao meu redor vejo muitos expectadores...

2 comentários:

  1. Compartilho do sentimento da Suelen!

    ResponderExcluir
  2. Vamos fazer uma revolução!

    ResponderExcluir